Um guia de como preparar a diversão para a família toda em Orlando, nos Estados Unidos

A partir de 1 ano

Magic Kingdom Parade Walt Disney World Resort Orlando EUA

(Divulgação)

Seu filho vai entrar de graça nos parques e também não paga para comer na maioria dos restaurantes.

Há pouquíssimas atrações para essa faixa etária, mas todos os parques contam com espaços para famílias com fraldário, micro-ondas e aquecedor de mamadeira. Também dá para alugar carrinho (mas compensa mais comprar um básico no Walmart).

A partir de 3 anos

Menina segura um balão com uma imagem do filme "Frozen", enquanto tenta agarrar bolhas de sabão

(Fernanda Frazão)

A criança já paga ingresso e tem mais atrações voltadas para ela, mas ainda não são muitas.

O Child Swap ou Rider Switch permite que pais que estejam com crianças que não têm altura mínima ou simplesmente não queiram ir a determinado brinquedo possam se revezar: enquanto um vai no brinquedo, o outro espera do lado de fora com o pequeno e depois troca sem ter de pegar a fila duas vezes.

Para essa faixa etária pode valer a pena ficar num dos resorts dentro do complexo da Disney para minimizar deslocamentos.

A partir de 6 anos

Animal Kingdom Adventurer's Outpost Disney World Resort Orlando EUA

(Kent Phillips/Divulgação)

Já tem altura para entrar em mais brinquedos, mas vale dedicar mais tempo ao parque mais infantil de todos: o Magic Kingdom.

Depois, o Animal Kingdom faz sucesso pelo fascínio dos pequenos pelos animais, e lá tudo gira em torno deles.

Em ambos dá para aproveitar uma série de shows (de teatro ou em 3D e 4D) e encontros com personagens. Também vale conferir o Legoland e algum parque aquático.

A partir de 8 anos

Star Wars Weekends - Orlando

(Divulgação)

Eles já aguentam caminhar mais pelos parques e podem participar de brinquedos com mais emoção, como o Harry Potter and the Forbidden Journey, no castelo, o Cheetah Hunt, no Busch Gardens, e o Amazing Adventures of Spider-Man, no Island of Adventures.

A partir de 12 anos

Marvel Super Hero Island, Islands of Adventure, Orlando, Flórida

(© 2013 Universal Orlando Resort. All rights reserved)

A garotada aqui já pode radicalizar e ir às montanhas-russas mais velozes de Orlando, como a Incredible Hulk Coaster, no Island of Adventures, e a SheiKra, no Busch Gardens.

Se eles quiserem ir de novo e de novo (e você não estiver com pique para acompanhar), use o serviço Single Rider, a fila onde quem estiver sozinho pode passar na frente.

Como chegar: a malha aérea Brasil–Flórida

De São Paulo, voam direto para Orlando a Latam e a Delta. De Campinas, quem faz o trajeto é a Azul. Dá para encontrar tarifas mais baratas fazendo conexão em Miami com a American Airlines, a Latam e a Azul, que voam para lá saindo de mais capitais (Belém, Fortaleza, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Manaus).

Como eu vou?

Por conta própria, você pode aproveitar as promoções de passagens aéreas e descontos nos sites de hospedagens como o Booking e o Hoteis. Assim tem liberdade para montar o seu próprio roteiro, mas precisa cuidar de todos os detalhes (por exemplo, reservar um jantar especial com um personagem).

Em épocas muito concorridas (como o mês de julho e a semana entre o Natal e o Ano-Novo) vale a pena comprar pacotes de voo + hotel + aluguel de carro, pois as operadoras têm bloqueios de lugares e podem conseguir preços melhores, além de permitir o parcelamento do combo todo sem o IOF de 6,38%.

Excursões podem valer para o caso de você querer mandar seu filho de 15 anos desacompanhado, está inseguro porque não fala inglês ou fazendo a sua primeira viagem internacional e quer tudo organizadinho, sem trabalho nenhum. O lado negativo é o preço alto, ou ter de seguir estritamente um programa e horários com um grupo e não poder curtir as coisas no seu tempo.

Texto publicado na edição 254 da revista Viagem e Turismo (dezembro/2016)

fonte: http://viagemeturismo.abril.com.br/materias/tudo-o-que-voce-precisa-saber-para-levar-as-criancas-para-orlando/

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial