Getty Images

Com 9,6 milhões de seguidores no Twitter, o Papa Francisco é a maior surpresa da plataforma. Atento às modas da nova geração, o pontífice entrou em contato com o dono de uma plataforma que divide até a Igreja Católica quando se trata de seus usuários: o Instagram, que tem mais de 500 milhões de usuários, 63% deles da geração Y. Kevin Systrom, CEO da rede, fez questão de criar a conta do Papa. Desde então, o Instagram se tornou o lugar ideal para ver fotos exclusivas da Santidade. Em apenas quatro meses ele angariou 2,9 milhões de seguidores, quase um terço de sua audiência no Twitter, onde tem um perfil desde 2012.

Três semanas depois, Systrom estava de novo em um voo para Roma. “Quando eu vi o Papa pela segunda vez, ele me cumprimentou como um grande amigo”, conta. Em sua primeira foto, ele estava ajoelhado. Na legenda: “Reze por mim” em 9 línguas diferentes. A foto tem mais de 3000.000 curtidas.

E isso é muito bom para Mark Zuckerberg. Quando o bilionário resolveu desembolsar quase US$ 1 bilhão em 2012 para comprar o aplicativo de compartilhamento de fotos, que na época tinha quase 30 milhões de usuários, as reações não foram nada positivas. Porém ele, mais uma vez, foi mais inteligente que todos. Nos quatro anos que seguiram à compra, o Instagram se tornou uma das plataformas que mais crescem na rede, com tantos usuários quanto o Twitter (310 milhões), o Snapchat (mais de 100 milhões) e o Pinterest (100 milhões) juntos. O Instragram também é extremamente lucrativo, gera US$ 630 milhões por ano.


LEIA MAIS: Como a presidente Ellen Sirleaf salvou a Libéria

Claro, o app é peixe pequeno comparado ao Facebook, com seus 1,7 bilhão de usuários e US$ 18 bilhões em vendas. FORBES estima que o Instagram, atualmente, vale entre US$ 25 bilhões e US$ 50 bilhões, e esse número esta em constante crescimento. À medida que o seu dono mostra sinais de saturação, o Instagram ganhou por volta de 100 milhões de usuários em nove meses.

O caminho de Systrom para o Facebook parecia predestinado. Em 2005, Zuckerberg tentou persuadi-lo a pular seu último ano em Stanford e lançar um mecanismo de fotos para sua rede social. Systrom recusou, o que seria cerca de milhões de dólares. Ele, então, trabalhou em um café, foi para o Google e depois na startup Odeo. Inspirado em apps como o Foursquare, Systrom e seu amigo Mike Krieger lançaram o Burbn, um jogo de check-in móvel em 2010. Systrom criou um app de fotos e seu primeiro filtro. Mais filtros seguiram, e usuários também.Mas o Instagram continuava vazio. No primeiro ano, tinha apenas seis empregados, depois 13 quando foi vendido ao Facebook.

LEIA MAIS: 10 compras mais extravagantes feitas por bilionários

Hoje, quase toda figura pública tem uma conta no Instagram. Atletas e celebridades tratam seus perfis como um segundo noticiário, onde podem anunciar seus feitos. Quando Lionel Messi passou dos 30 milhões de seguidores em dezembro, Stephen Curry o presenteou com uma jaqueta dos Golden State Warriors com um número 30 bordado nas costas. Messi retornou o favor alguns meses depois com sua própria jaqueta do Barcelona com um número 10 bordado nas costas

Mas o Instagram, é mais que um veículo para as celebridades deixarem os paparazzi de lado e enviarem suas fotos aos fãs. O que Systrom chama de “superpoder” do app é sua habilidade de agrupar nichos específicos baseados em seus interesses, seja K-Pop, arte, comédia ou qualquer outro interesse. Todo os dias, usuários gastam mais de 21 minutos no app e, juntos, fazem o upload de mais de 95 milhões de fotos e vídeos.

LEIA MAIS: Hotel de 10 mil quartos da Arábia Saudita enfrenta crise econômica do país

Esse tipo de engajamento está reformulando indústrias como a moda. No ano passado, o designer Misha NoNoo deixou as passarelas de lado e criou um desfile exclusivo para o Instagram. Depois de varias reuniões com o time de Synstrom, a designer lançou um Instashow, que permite que os fãs comentem e curtam as fotos com as roupas da coleção.

No total, mais de 200.000 companhias estão anunciando seus produtos na plataforma. Um estudo da Nielsen, com mais de 700 campanhas, descobriu que mais de 98% das campanhas tiveram uma efetividade maior quando veiculadas no app. Se Zuckerberg fez um dos melhores negócios da história, então Synstrom fez uns dos piores. Aquele pagamento de US$ 1 bilhão poderia ter sido 10 vezes maior se ele tivesse esperado um ano ou dois.

Systrom pode até se mover devagar, mas ele não é teimoso. Ao passar dos anos, mudou várias características em seus produtos, adicionando mensagens diretas e hashtags para tópicos e lugares, criando uma aba própria para a descoberta de novos lugares. Porém, diferente do Facebook, que lança novos aplicativos e experimentos (como Paper, Slingshot e Rooms), o Instagram tem sido mais cuidadoso, lançando quatro aplicativos até agora, inclusive o Boomerang.

LEIA MAIS: SolarCity fecha acordo de US$ 2,6 bilhões para se fundir à Tesla

A evolução natural do Instagram aponta para o vídeo. Companhias de tecnologia como Google, Twitter, Facebook e Pinterest vêm tirando a predominância das propagandas da mídia tradicional. Com quase US$ 70 bilhões saindo da TV e sendo investidos em propagandas para smartphones, toda companhia especializada em produção de conteúdo está na corrida para dominar as propagandas em vídeo. Empregados não aceitaram muito a ideia da inclusão de um sistema de compartilhamento de vídeos em 2013, junto à atualização que possibilita a mudança de formato das fotos. Systrom lidou com a situação como um pai cauteloso: ele admitiu que ações assim podem ser assustadoras, mas assegurou a todos que não faria nada que prejudicasse a empresa.

A tecnologia muda, mas a visão original de Systrom para o Instagram permanece: criar uma memória visual de tido que acontece ao redor do mundo, permitindo que usuários foquem em cada canto do planeta que planejam explorar. Para atingir esse objetivo, Systrom planeja dobrar o número de usuários para um bilhão, ou até triplicá-lo, representando uma concorrência que rivaliza com o Facebook. “Temos de nos lembrar de celebras 500 milhões de usuários”, afirma. “Chegar neste ponto é um marco, um sinal de ambição. Não vamos parar agora.”

Instagram imita Snapchat e lança Stories

O Instagram anunciou na última terça-feira (2) uma nova funcionalidade do aplicativo. Assim como a seção “My Stories” do Snapchat, onde os posts dos usuários ficam disponíveis para os amigos por 24 horas. O “Stories”, localizado na parte superior da tela inicial, permite postar vídeos, fotos e desenhos feitos com as próprias ferramentas do app.

A novidade deve chegar aos poucos a todos os usuários do Android e do iPhone (iOS).

fonte: http://www.forbes.com.br/negocios/2016/08/como-o-instagram-se-tornou-um-app-de-us-50-bilhoes/

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial